ARQ-ART une Arte e Arquitetura

A Direção Regional de Cultura do Norte tem em curso o desenvolvimento do projeto ARQ-ART Norte (Rede de Arte e Arquitetura Contemporâneas no Norte de Portugal), orçado em 242 mil euros e cofinanciado pelo Programa Operacional Norte 2020.

Trata-se de uma iniciativa que antecede a criação da Rede Portuguesa de Arte Contemporânea e da qual faz parte, sendo já resultado da estratégia global do Ministério da Cultura para a Arte Contemporânea, e cujo desenvolvimento é feito em estreita articulação com a implementação da Rede de âmbito Nacional que está a ser preparada pelo Governo.

O projeto ARQ-ART Norte, a executar até final de 2021, propõe o estabelecimento de uma rede temática de cooperação entre 12 museus de arte e arquitetura contemporâneas da Região, numa iniciativa orientada para a valorização da oferta no território, através de um plano integrado de divulgação e promoção turística conjunta, e da implementação de ações piloto, incluindo o desenvolvimento de itinerários temáticos e o cruzamento de serviços.

Trata-se efetivamente de definir um conjunto de instrumentos e competências estruturantes para a dinamização dos equipamentos relacionados com a arte e arquitetura contemporâneas em toda a Região Norte, tendo como base algumas das mais importantes e reconhecidos ativos culturais da região e do país.

Neste sentido, o projeto tem como meta aumentar a atratividade cultural da Região Norte para visitantes e residentes, em especial das faixas etárias mais jovens. Para o conseguir, foram fixados os seguintes objetivos:

a. posicionar a Região Norte enquanto importante centro de produção e exposição de arte e arquitetura contemporâneas;

b. criar sinergias entre os diferentes espaços museológicos e de exposição capazes de multiplicar o seu impacto e a sua capacidade de atração de visitantes;

c. valorizar a disseminação territorial dos espaços dedicados à arte e arquitetura contemporâneas;

d. integrar um conjunto heterogéneo, mas coerente, de espaços e equipamentos de elevada qualidade patrimonial, nomeadamente: a Casa da Arquitetura (Matosinhos); a Casa do Design (Matosinhos);  o Centro de Arte Graça Morais (Bragança); o Centro Internacional de Arte José Guimarães (Guimarães); a Fundação de Serralves (Porto);  o Lugar do Desenho – Fundação Júlio Pomar (Gondomar); o Museu Amadeo Souza Cardoso (Amarante); o Museu da Bienal de Cerveira (Vila Nova de Cerveira), o Museu de Arte Contemporânea de Chaves – Nadir Afonso (Chaves); o Museu Internacional de Escultura Contemporânea (Santo Tirso); o Museu do Surrealismo – Fundação Cupertino Miranda (Vila Nova de Famalicão); e o Centro de Arte Oliva (São João da Madeira).

e. dinamizar o território com ações associadas à Arte e Arquitetura Contemporâneas com impacto internacional, em matéria de projeção da imagem da Região e de incremento dos seus fluxos turísticos;

f. aumento da amplitude e da excelência da oferta turística e dos serviços prestados nos equipamentos que integram o programa, promovendo a acessibilidade a pessoas com deficiência ou incapacidade em itinerários de turismo acessível para todos, nomeadamente no plano comunicacional.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on skype
Skype
Notícias Recentes
Assinala-se amanhã o Centenário de Nascimento de Nadir Afonso. Para comemorar a data, o Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves, apresenta uma exposição evocativa com curadoria de Maria do Mar Fazenda.
Siga-nos