Notícias
23 Mai. 2019 Casa das Artes: Concerto Duo Logomusica O Duo Logomusica apresenta «Sonatas para quatro mãos de W.A. Mozart», dia 7 junho, pelas 21h30, na Casa das Artes. Entrada livre. Evento
"O repertório para quatro mãos constitui uma parte importante da literatura para piano. Apesar de ser olhado muitas vezes como uma extensão do repertório a solo, quase todos os grandes compositores se debruçaram sobre ele.  

Está documentada  a prática desta forma de música por W. A. Mozart,  o qual tocou diversas  vezes em conjunto com a sua irmã Nannerl em jovem. Por isso, não é de espantar que desde cedo tenha composto obras para quatro mãos. A primeira é a sonata em dó maior K. 19d composta em 1765, quando tinha nove anos de idade.  Mais tarde, em Salzburg, compôs duas sonatas, K. 381 (1772) em ré maior e K. 358 (1774) em si bemol maior. Estas são obras mais elaboradas e ilustram, em especial a sonata em ré maior, o estilo concertante. 

Por esse motivo o musicólogo Alfred Enstein compara esta sonata a uma "sinfonia italiana reduzida para teclado”. Na sonata em si bemol maior há quem refira a similaridade entre o tema em mi bemol maior do Adágio central e um outro utilizado por J. Haydn no seu primeiro quarteto (op. 1 no. 1). O próprio Mozart utiliza este tema noutra obra - o quarteto K. 160 . Após um interregno compõe, em 1786, a sua obra mais elaborada para este género de conjunto, a sonata em fá maior, K. 497. 

No mesmo ano começa a compor uma outra sonata em sol maior (K. 357) da qual só nos chegaram dois andamentos. Finalmente, no ano seguinte, escreve uma ultima sonata para quatro mãos em dó maior (K. 521) que retoma o brilhantismo  da sonata em fá maior. Nesta ultima sonata para piano a quatro mãos Mozart retorna à tonalidade e à jovialidade da primeira sonata. Podem, assim, ser vistas como o inicio e o fim de um conjunto de obras.
JM”