Notícias
02 Out. 2019 Casa das Artes: Cinema em Outubro 2019 Outubro é um mês intenso no que respeita à programação de cinema na Casa das Artes. Do Festival Beast a filmes de Robert Altman ou Roman Polanski, destaca-se ainda um filme-concerto com acompanhamento musical ao vivo pelos Solistas da Metropolitana. Evento
 Festival BEAST dedicado a mostrar o que de melhor se faz no cinema da Europa de Leste.

Quinta-feira, 3 de outubro | 21h30
sessão inserida na secção PORTUGUESE ABROAD do BEAST international Film Festival
EXTINÇÃO Salomé Lamas (PT/ AL | 2018 | DOC' |  80')

Sábado, 5 de outubro | 18h00
sessão inserida na secção PORTUGUESE ABROAD do BEAST international Film Festival
QUARTO EM LISBOA
Francisco Carvalho (PORTUGAL | 2018 | FICÇÃO | 16')
VHILS – DEBRIS, MACAU
José Pando Lucas  (CHINA/PT | 2017 | DOC'| 4')
GRIND
Yuri  Alves (EUA | 2017 | DOC' | 8')
DIREITO À MEMÓRIA
Rúben Sevivas (PORTUGAL |2018 | DOC' | 9')
PELE DE LUZ
André Guiomar (MOÇAMBIQUE/PT | 2018 | DOC' | 18')



quinta-feira, 10 de outubro  | 21h30

HOTEL IMPÉRIO
Ivo Ferreira
PT/CHINA | 2018 | FIC | 82’

A casa de Maria sempre foi o Hotel Império, nos bairros tradicionais de Macau, onde há roupa pendurada entre os neons, e um emaranhado de fios elétricos invade ruas cheias de vapores.
Com o pai envelhecido, o fardo de manter o decrépito hotel em funcionamento recai-lhe sobre os ombros. Canta Fado num Casino onde o jogo e a prostituição andam de mãos dadas, mas o dinheiro é pouco e os especuladores imobiliários tornam-se insistentes. Surge então Chu, jovem misterioso com um interesse obsessivo por Maria.


Sábado, 12 de outubro | 18h

CHINATOWN
Roman Polanski
EUA | 1972 | FIC | 122’

Jack Nicholson é o detective privado Jake Gittes, que vive do suspeito clima moral da bronzeada Califórnia do Sul, antes da 2ª Guerra Mundial. Contratado por uma bela senhora da elite social (Faye Dunaway) para investigar as actividade extra-matrimoniais do seu marido, Gittes é arrastado para uma intriga de negócios duplos e enganos mortíferos, descobrindo uma teia de escândalos pessoais e políticos, que se vão juntar todos, numa inesquecível noite em Chinatown.


Quinta-feira, 17 de outubro | 21h30

NASHVILLE
Robert Altman
EUA | 1975 | FIC | 159’

Este épico de Robert Altman é considerado, por muitos, como o ponto alto da sua carreira. Com um elenco de infindável talento, Altman segue várias histórias cruzadas e paralelas em Nashville, Tennessee, no meio da sua indústria de música country (com vários momentos musicais) e de uma campanha política, para as eleições primárias locais, onde se destaca um político populista do "Replacement Party”. Um enorme filme sobre a cultura norte-americana e os seus cruzamentos entre arte, sexo, e política, com Altman a sobrepor os seus diversos tecidos e cruzamentos numa realização, em imagem e som, que vive o pico da sua experimentação. 
Texto da Cinemateca Portuguesa.


Sábado, 19 de outubro | 18h00

LA POINTE COURTE
Agnès Varda
FRANÇA | 1958 | FIC | 78’

A conturbada relação de um casal e o conflito entre pescadores e autoridades. Duas histórias diferentes, sem relação entre si, que se interligam no bairro piscatório de Pointe Courte.


Quinta-feira, 24 de outubro | 21h30


A ROSA DO ADRO
George Pallu
PORTUGAL | 1919 | FIC | 80’
evento especial com acompanhamento musical ao vivo pelos Solistas da Metropolitana com a partitura original de Armando Leça 

Na Temporada 2019/2020, a Metropolitana junta-se à Cinemateca Portuguesa e à Universidade Nova de Lisboa (INET-md) num projeto galvanizante: a recuperação histórica de uma das primeiras películas do cinema mudo português, de que se celebra o centenário: A Rosa do Adro, filme realizado por Georges Pallu em 1919.
A partitura original de Armando Leça (pseudónimo do compositor Armando Lopes), recuperada por uma equipa do INET-md, será interpretada ao vivo, como numa projeção da época.


Sábado, 26 de outubro | 18h00

O ECLIPSE
L’ECLISSE
de Michelangelo Antonioni
ITÁLIA/FR | 1961 | FIC | 125’

O filme que encerra a "trilogia dos sentimentos” (e o último a preto e branco de Antonioni). Talvez o filme mais ostensivamente moderno de Antonioni, em todos os sentidos do termo. Monica Vitti é uma mulher que, depois da separação do amante, se encontra desamparada, procurando refazer a vida com um corretor da Bolsa, obcecado pelo jogo do dinheiro, o que a leva de novo à solidão. A sequência passada na Bolsa de Milão e as últimas imagens, quase abstratas, estão entre os momentos mais célebres da obra de Antonioni ("Prefiro filmar nos lugares autênticos porque a realidade estimula a minha fantasia”). 
Texto da Cinemateca Portuguesa.

Quinta-feira, 31 de outubro | 21h30
A JANELA INDISCRETA
REAR WINDOW
Alfred Hitchcock
EUA | 1953 | FIC | 112’
 
Pode chamar-se-lhe um "filme de câmara”, de tal forma tudo se circunscreve à visão a partir da sala onde o herói, um fotógrafo com a perna em gesso devido a um acidente (James Stewart), passa o tempo bisbilhotando a vida dos vizinhos até ao momento em que se depara com um crime. A notável articulação entre os espaços do interior do apartamento de Stewart e o pátio e as traseiras dos vizinhos é o resultado de um dos mais fabulosos trabalhos de set designing da história do cinema.
Texto da Cinemateca Portuguesa.


Sala Henrique Alves Costa
bilhete normal: 3,5€ | bilhete estudante / +65 anos: 2,5€ | bilhete sócio CCP: 0,5€
A bilheteira abre meia-hora antes de cada sessão.
Não se fazem reservas.